21 de abr de 2010

p r o t e s t o .

Durante cerca de 4 horas pessoas se empenham em montar uma obra. O resultado agrada. Passam-se menos de 24 horas e o trabalho aparece DESTRUÍDO e, a seguir, AUSENTE, pois é necessário limpar os restos.
Tenho certeza que a situação descrita já aconteceu e acontece em diversos lugares, atingindo muitas obras e revoltando muitos artistas.

Porém, se estes destruídores sentem-se livres para acabar com o trabalho alheio, sentimo-nos livres para protestar tal agressividade com mais arte! Não ficaremos caladas diante da estupidez dos ignorantes.

E vale deixar claro que ignorante, na frase que compõe o trabalho, não é um mero xingamento, mas se refere ao ignorante que infelizmenente não entende, que não conhece e que, por consequência, não respeita.

Para finalizar, só uma sugestão para aqueles cujo bom senso e educação estão em falta: se você não entende ou não tem informação suficiente, fique na sua ou vá buscar entender.



No local onde antes havia a obra "Memórias", que foi supostamente destruída por estudantes da Universidade, interferimos com panfletos de protesto.

As mensagens estampadas nos (100) panfletos dispostos pelo local.



m e m ó r i a s .

É sobre isso este projeto em dupla, realizado por mim e por Priscila Tonon.
São lembranças, memórias, vivências - que deixaram saudades, angústias ou que serviram de ponto de partida para algo que ainda persiste atualmente - compartilhadas com completos desconhecidos. Como se abríssemos nossas caixas de memórias individuais e permitíssemos que qualquer passante as vasculhasse. Além disso, é interessante pelo fato de que a exposição da vida íntima, hoje em dia, tornou-se popular. A internet é um bom exemplo, com seus diversos recursos.
Enfim, os balões estão lá, como memórias suspensas, dependendo de apenas um estímulo para virem à tona.

As mensagens prontas para serem colocadas nos balões.

O processo de montagem.

Trabalho concluído com alguns balões já estourados.

A reação de quem participava da obra e a leitura das mensagens, que, depois, seriam colocadas na caixa.

O passo a passo, mostrado por Felipe, um de nossos colegas.

Pra ter uma noção do espaço.

As mensagens de Priscila Bonatto.

E as da Priscila Tonon.


18 de abr de 2010

p a r a r e f l e t i r .

"A grandeza de uma obra de arte está fundamentalmente no seu caráter ambíguo, que deixa ao espectador decidir sobre o seu significado."
(Theodor Adorno)

"A emoção estética deixa o ser humano num estado favorável à recepção de emoções eróticas. A arte é cúmplice do amor. Tire o amor e não haverá mais arte."
(Remy de Gourmont)

"Quando alguém compra algum dos meus trabalhos de arte eu espero que seja porque desejem aprender com ele e não porque pensem que vai combinar com suas cortinas."
(Christian Cardell Corbet)

"A arte é necessária para que o homem se torne capaz de conhecer e mudar o mundo. Mas a arte também é necessária em virtude da magia que lhe é inerente."
(Ernst Fischer)

"A beleza absoluta e eterna inexiste, ou melhor, é apenas abstração empobrecida na superfície geral das diferentes belezas. o elemento particular de cada beleza vem das paixões, e como temos nossas paixões particulares, temos nossa beleza particular".
(Charles Baudelaire, 1846)

"A arte pode ser ruim, boa ou indiferente, mas qualquer que seja o adjetivo empregado, temos que chamá-la arte. A arte ruim é arte, do mesmo modo como uma emoção ruim é uma emoção".
(Marcel Duchamp, 1957)

"A arte é individual como criação e plural como significado".
(Frederico Morais, 1994)

"Ela (a arte) pede um olhar curioso, livre de 'pré-conceitos', mas repleto de atenção".
(Katia Canton)


Imagem de obra exposta em Porto Alegre.

p r o c e s s o .

Trabalho de pintura em processo...

16 de abr de 2010

n ã o a d i a n t a , m a s q u e m c o n t r o l a ?

Este é o título do meu primeiro projeto concretizado na disciplina de Arte Contemporânea.
Creio não ser necessário me estender em detalhes quanto ao significado, pois o trabalho fala por si, mas, em síntese, é a união de uma questão individual colocada de forma generalizada. Afinal, quem nunca chorou (e chora ainda) pelo leite derramado? Quem não se lamenta por coisas que já aconteceram e deixaram seus rastros, seus fantasmas, suas sequelas?
Utilizei-me da arte neste trabalho como meio de extravasar certas angústias que me atormentam diariamente, afinal, é esta uma das maravilhosas possibilidades da arte, não é? Extravasar, materializar, colocar pra fora para ver se ameniza, pelo menos um pouquinho.








11 de abr de 2010

d e s c o b e r t a a o a c a s o .

Foi assim, meio por acaso, que descobri que aquela criatura que eu andava ouvindo no aparelho de som era, além de compositor e cantor, artista plástico.
É sobre Arnaldo Antunes que quero falar, e não vou me estender em nenhuma biografia, não é isso. O fato é que eu desconhecia completamente o trabalho do tal senhor e, a partir do momento que me deparei com seus poemas visuais, me apaixonei!
Além disso, o motivo pelo qual ele aparece aqui citado, é que tanto seus trabalhos como o de outros artistas que se utilizam de símbolos e letras em conjunto têm me inspirado nos projetos que irei realizar e postar aqui em breve.

Para quem ainda não conhece, fica a dica:

www.arnaldoantunes.com.br

p a r a c o m e ç o d e c o n v e r s a .

"Podemos colocar a questão da seguinte maneira: toda arte é condicionada pelo seu tempo e representa a humanidade em consonância com as idéias e aspirações, as necessidades e as esperanças de uma situação histórica particular." (Ernst Fischer - A Necessidade da Arte)

Para começo de conversa, optei por um pequeno trecho, bem sintetizado, que esclarece, ao menos um bocado, a respeito do que é a arte, para que ela serve e por que necessita-se dela.